• February 2015
    M T W T F S S
    « Jan   Mar »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    232425262728  
  • Pages

  • Marginalia

  • Accumulations

Veja | Fourth Estate or Fifth Column?

"They knew everything"

“They knew everything”

Author: J. Carlos de Assis

Brazil is the target of a conspiracy designed to destabilize the Dilma government in the guise of a campaign to combat corruption.http://

It has many of the same characteristics of the so-called Arab Spring, the difference being that in the Mideast cases, the regimes were entrenched dictatorships, whereas ours is a vulnerable democracy. Since it is untenable to encourage a coup in favor of a democracy that already exists, the pretext used is the battle against corruption connected with the Lula and Dilma governments.

Persons of good faith believe this sort of theory constitutes jumping to conclusions. I myself am inclined to reject conspiracy theories as well, but only so long as the evidence allows me to. In this article, I will try to present evidence of a conspiracy underway in Brazil, using as my principal reference the American foreign policy magazine “Foreign Affairs”, which can hardly be criticized as anti-American. My point of departure is a pair of essays in the September/October issue about the crisis in Ukraine and the 40 years since the Chilean coup.

Regarding Ukraine, the magazine states quite clearly that the crisis there is the fault of the West, or rather, of the United States. It results from the ambition of NATO, led by the Americans, to expand its borders to the East, incorporating nearly all the states of the former Soviet Union, one after another.

In 1999, for example, the Czech Republic, Hungary and Poland joined the organization. Despite the constant protests of the Russians, in 2004 it was the turn of Bulgaria, Estonia, Latvia, Lituania, Romania, Slovakia and Slovenia. In 2009, it was the turn of Albânia and Croatia.

These incororations violated formal conditions established with Gorbachev during the process of reunifying Germany, in which Russian approval was a key element. Russia responded with merely formal protests, however, in part because it was itself internally fragmented and in part because it had no border with these countries absorbed into NATO, except for the smallest Balkan states. In 2008, however, NATO announced its intention to incorporate the border nations of Geórgia and Ukraine, effectively surrounding Russia.

No Russian leader would, or will ever, accept this advance on Russia’s own back yard. much less a strategist of the stature of Putin. When the president of Georgia, favorable to joining NATO, decided to reincorporate the rebel provinces of Abkhazia and Ossétia do Sul, Putin immediately invaded them, making it clear that he would not accept Georgia, a border state, as a NATO member, unless it was broken up. In the same vein, a Russian newspaper reported, Putin let Bush know that “if Ukraine is absorbed into NATO, it will cease to exist.”

“Foreign Affairs” paints a realistic picture of what occurred from that point on in Ukraine. In the process of creating a “democratic” atmosphere favorable to inclusion in the EU — a step along the path to NATO membership — the U.S. spent US$ 5 million since 1991 to support opinion-making institutions in the country — according to Victoria Nulan, assistant secretary of state for Europe and Eurasia — in order to create for Ukraine “the future it deserves.”

One think tank in particular, the National Endowment for Democracy, promoted more than 60 projects to undermine the stability of the legitimate, pro-Russian Yanukovych.

http://www.ned.org/where-we-work/eurasia/ukraine

NED chairman Carl Gershman made no bones about the objective of this movement. In an interview with the New York Times, he declared that “the choice of Ukraine to be integrated into Europe will accelerate the death of the Russian imperialism that Putin represents.” More explicitly, he said that the Russians “also faced a choice,” and that Putin could find himself on the losing side, not abroad but inside Russia.” Puti n reacted to such provocations by invading Crimea and holding a referendum on its annexation by Russia.

I am transcribing passages of this long article because I believe that we Brazilians deserve a press and an electronic media that provide impartial reporting on what is happening in Ukraine.

Our own establishment media is more pro-Anerican, in many circumstances, than the U.S. media elite. But what I want to emphasize is that the American government has a clear strategy behind its domination of world affairs and is willing to pay any price, even if that price includes the institutions and lives of other peoples, to achieve its strategic objectives.

It is at this point that we begin to examine contemporary Brazil. The U.S. has revived the Cold War and elected Russia as its strategic enemy, while Russia, still a nuclear superpower, is the only force capable, along with China in the economic sphere, of rivaling them. And here we, the Brazilians, have the audacity to approach Russia and China as part of the BRICS coalition, creating an alternative for global development, both economic and political.

For those who wish to extend the embrace of NATO to the Ukrainian plains, this is a major task, considering that Brazil and South Africa are considered to be reasonably well-behaved back yards of American power.

If in order to eliminate the risk of closer ties with Russia it were necessary to destabilize the Brazilian government, appealing to the existence of some fictional tolerance of corruption, as occurred in Ukraine, the U.S. will not come begging with hat in hand.

The Americans have powerful allies here in Brazil, serving as loyal fifth-columnists. For some reason, they tapped Dilma’s phone!

In Chile, meanwhile,  according to documents declassified after 40 years of the coup that toppled Allende, it is now proven, as “Foreign Affairs” reports, that the coup and the assassination of Allende were orchestrated from Washington under the baton of Henry Kissinger. It began with the assassination of the anti-coup General Schneider, paid for by the CIA, and throughout the entire plotting process it counted on support from the daily “El Mercurio”, which received US$ 11 milhões (adjusted) from the CIA.

“Veja” magazine, as we all know, is passing through financial difficulties. Could this be the time to ask who is underwriting its infamies in a(nother) bid to destabilize the Brazilian government? Brazil is the target of a conspiracy designed to destabilize the Dilma government in the guise of a campaign to combat corruption.

It has many of the same characteristics of the so-called Arab Spring, the difference being that in the Mideast cases, the regimes were entrenched dictatorships, whereas ours is a vulnerable democracy. Since it is untenable to encourage a coup in favor of a democracy that already exists, the pretext used is the battle against corruption connected with the Lula and Dilma governments.

Persons of good faith believe this sort of theory constitutes jumping to conclusions. I myself am inclined to reject conspiracy theories as well, but only so long as the evidence allows me to. In this article, I will try to present evidence of a conspiracy underway in Brazil, using as my principal reference the American foreign policy magazine “Foreign Affairs”, which can hardly be criticized as anti-American. My point of departure is a pair of essays in the September/October issue about the crisis in Ukraine and the 40 years since the Chilean coup.

Regarding Ukraine, the magazine states quite clearly that the crisis there is the fault of the West, or rather, of the United States. It results from the ambition of NATO, led by the Americans, to expand its borders to the East, incorporating nearly all the states of the former Soviet Union, one after another.

In 1999, for example, the Czech Republic, Hungary and Poland joined the organization. Despite the constant protests of the Russians, in 2004 it was the turn of Bulgaria, Estonia, Latvia, Lituania, Romania, Slovakia and Slovenia. In 2009, it was the turn of Albânia and Croatia.

These incororations violated formal conditions established with Gorbachev during the process of reunifying Germany, in which Russian approval was a key element. Russia responded with merely formal protests, however, in part because it was itself internally fragmented and in part because it had no border with these countries absorbed into NATO, except for the smallest Balkan states. In 2008, however, NATO announced its intention to incorporate the border nations of Geórgia and Ukraine, effectively surrounding Russia.

No Russian leader would, or will ever, accept this advance on Russia’s own back yard. much less a strategist of the stature of Putin. When the president of Georgia, favorable to joining NATO, decided to reincorporate the rebel provinces of Abkhazia and Ossétia do Sul, Putin immediately invaded them, making it clear that he would not accept Georgia, a border state, as a NATO member, unless it was broken up. In the same vein, a Russian newspaper reported, Putin let Bush know that “if Ukraine is absorbed into NATO, it will cease to exist.”

“Foreign Affairs” paints a realistic picture of what occurred from that point on in Ukraine. In the process of creating a “democratic” atmosphere favorable to inclusion in the EU — a step along the path to NATO membership — the U.S. spent US$ 5 million since 1991 to support opinion-making institutions in the country — according to Victoria Nulan, assistant secretary of state for Europe and Eurasia — in order to create for Ukraine “the future it deserves.”

One think tank in particular, the National Endowment for Democracy, promoted more than 60 projects to undermine the stability of the legitimate, pro-Russian Yanukovych.

http://www.ned.org/where-we-work/eurasia/ukraine

NED chairman Carl Gershman made no bones about the objective of this movement. In an interview with the New York Times, he declared that “the choice of Ukraine to be integrated into Europe will accelerate the death of the Russian imperialism that Putin represents.” More explicitly, he said that the Russians “also faced a choice,” and that Putin could find himself on the losing side, not abroad but inside Russia.” Puti n reacted to such provocations by invading Crimea and holding a referendum on its annexation by Russia.

I am transcribing passages of this long article because I believe that we Brazilians deserve a press and an electronic media that provide impartial reporting on what is happening in Ukraine.

Our own establishment media is more pro-Anerican, in many circumstances, than the U.S. media elite. But what I want to emphasize is that the American government has a clear strategy behind its domination of world affairs and is willing to pay any price, even if that price includes the institutions and lives of other peoples, to achieve its strategic objectives.

It is at this point that we begin to examine contemporary Brazil. The U.S. has revived the Cold War and elected Russia as its strategic enemy, while Russia, still a nuclear superpower, is the only force capable, along with China in the economic sphere, of rivaling them. And here we, the Brazilians, have the audacity to approach Russia and China as part of the BRICS coalition, creating an alternative for global development, both economic and political.

For those who wish to extend the embrace of NATO to the Ukrainian plains, this is a major task, considering that Brazil and South Africa are considered to be reasonably well-behaved back yards of American power.

If in order to eliminate the risk of closer ties with Russia it were necessary to destabilize the Brazilian government, appealing to the existence of some fictional tolerance of corruption, as occurred in Ukraine, the U.S. will not come begging with hat in hand.

The Americans have powerful allies here in Brazil, serving as loyal fifth-columnists. For some reason, they tapped Dilma’s phone!

In Chile, meanwhile,  according to documents declassified after 40 years of the coup that toppled Allende, it is now proven, as “Foreign Affairs” reports, that the coup and the assassintion of Allende were orchestrated from Washington under the baton of Henry Kissinger. It began with the assassination of the anti-coup General Schneider, paid for by the CIA, and throughout the entire plotting process it counted on support from the daily “El Mercurio”, which received US$ 11 milhões (adjusted) from the CIA.

“Veja” magazine, as we all know, is passing through financial difficulties. Could this be the time to ask who is underwriting its infamies in a(nother) bid to destabilize the Brazilian government?

Advertisements

Veja | Brazil and Its Watergate Burglars

Source: Brasil 24/7

Screenshot from 2015-02-27 17:47:26

Brazil is in desperate need for new rules governing the media.

I will say it again.

Brazil is in desperate need for new rules governing the media.

The episode in which a Veja reporter used false names and identities to get to a nephew of Lula is an extraordinary demonstration of what is urgently needed: defining what a reporter can, and more importantly, should not, do.

The reporter had already committed a monstrous error — he had reported on a million-dollar birthday party in Brasília for one of Lula’s nephews. It was soon learned that Lula had no such nephew. The reporter, not content with the stupidity he had already displayed, set out on a mad gallop, targeting a nephew of Lula in Sorocaba, as though he had a divine right of invading the privacy of others.

The British are conducting a debate that Brazil needs to emulate.

In the British case, what led to the conclusion that traditional norms no longer functioned was the discovery that journalists of a Murdoch-owned daily tabloid broken into the mailbox of a small girl who had been kidnapped.

In the end, the girl was slain, but the newspaper died along with her. Within days of discovering the monstrous ways of the tabloid, Murdoch had no choice but to shut it down.

The Brits came to the conclusion that self-regulation of the press had failed and began seeking new methods of oversight.

“Enough.” And this in country in which the judiciary has never been complacent with Big Media, as it is here.

You can imagine what goes on here in Brazil, where the courts tend to be sympathetic, whatever the case may be, to the major news media groups.

Dilma would reduce the problem by means of an economic regulation of the media. And tere is no question but that she should. There are monopolies and oligopolies to be restrained, as in any other sector of the economy. Without policy in these areas, competition is harmed and society at large suffers the consequences.

But this is only part of the drama. Journalistic methods must also be reviewed, as they are in England and, as a matter of fact, in any civilized nation.

Leniency in cases involving the media gives rise to intolerable conduct like dispatchinG a Veja reporter who believes it is acceptable to used deception to harrass a teenage boy.

In a less perfect world, public opinion would rise up against this journalistic barbarity.

But we live in a country where, before the arrival of the Internet and the plurality of voices it supported, public opinion was manipulated by a handful of media “colonels” — Marinhos, Frias, Civitas, Mesquitas and so on.

It is this army of «colonels» that cynically resists the modernization of relations between the press and its audience, the citizenry. harrass

The central argument, constantly repeated by political illiterates who offer them a prime target audience, is that regulation is tantamount to censorship.

As Wellington said, if you believe that, you’ll believe anything.

Not even the colonels can really believe in a mystification of this kind.

No Brazil, the media behaves as though it were a fourth power before whom the authorities bow and tremble.

Who stands to gain by this? The colonels, whose ownership of some of Brazil’s and the world’s great fortunes is no accident.

The loser in this scenario – Brazil.

It is not possible for the interests of media groups to invariably prevail over the public interest.

If Brazil is to be a socially advanced nation, the public interest will have to face down the power of a mere dozen families.

Petrobras, Moody Blues & the Oscars of the Oil Industry

Source:  Emanuel Cancella| GGN

Dear reader: Difficulties with WordPress text editor continue.

Moody’s, which has just now downgraded Petrobras to below investment grade, is a party to a scheme to destabilize the company.  que agora rebaixou a nota da Petrobrás, perdendo grau de investimento, é parte da armação para paralisar a empresa. Did you know that not a single risk agency, including Moody’s, alerted the world to the 2006 meltdown in the U.S?

On  the contrary, it assigned AA (the highest investment grade) to U.S. treasury bonds..

Moody’s is part of an international conspiracy whose principal collaborators in Brazil are Globo, Veja, Band, Estadão, Folha and the PSDB political party, who want to paralyze Petrobrás and hand over our black gold to the gringos.

We cannot allow Petrobras to take a step backward and we cannot allow the paralysis of major public works in Brazil.

Society as a whole favors the arrest of the corrupt and the corruptors, in Petrobras or any other corporation.

But now this is actually starting to happen!

Petrobrás has never been investigated by any previous government: the generals, Sarney, Collor, Itamar Franco, FHC or Lula.

Only the Dilma government has demonstrated the will to take on such an investigation. And not only that.

While the federal police were carrying out Operation Car Wash, oil workers were busy improving the petroleum and production capacity, while the “pre-salt” layer is yielding 700,000 barrels a day.was. Furthermore, Petrobras was recently awarded an “Oscar of the Oil Industry.”* It is thanks to these workers that Petrobras continues to grow and to receive the kudos of the international industry.

Moody’s Blues

This ratings agency, Moody’s, which has just downgraded Petrogras notes to below investment level, is part of a plot to paralyse the company. Do we all remember how, in 2006, no ratings agency in the world, including Moody’s, alerted the world to the American meltdown?

Does Moody’s still deserve its reputation? Take as an example a piece from a  McClatchy reporter in 2009, titled How Moody’s sold its ratings – and sold out investors.

 While the federal police were carrying out Operation Car Wash, oil workers were busy improving the petroleum and production capacity, while the “pre-salt” layer is yielding 700,000 barrels a day. Furthermore, Petrobras was recently awarded an “Oscar of the Oil Industry.”* It is thanks to these workers that Petrobras continues to grow and to receive the kudos of the international industry.

Moody’s Blues

This ratings agency, Moody’s, which has just downgraded Petrogras notes to below investment level, is part of a plot to paralyze the company. Do we all remember how, in 2006, no ratings agency in the world, including Moody’s, alerted the world to the American meltdown?

Does it deserve its reputation? Take as an example a piece from a  McClatchy reporter in 2009, titled How Moody’s sold its ratings – and sold out investors.

The  Securities and Exchange Commission issued a blistering report on how profit motives had undermined the integrity of ratings The Securities and Exchange Commission issued a blistering report on how profit motives had undermined the integrity of ratings at Moody’s and its main competitors, Fitch Ratings and Standard & Poor’s, in July 2008, but the full extent of Moody’s internal strife never has been publicly revealed.at Moody’s and its main competitors, 

GGN reaches a similar conclusion:

In case you didn’t know it,  Petrobrás, through the taxes it pays, finances 80% of the PAC (Growth Acceleration Program) which includes hydroelectric plants, the transposition of the São Francisco River, three refineries, Comperj, and so on. ell.

In the ranking of the perception of corruption published by Transparency  Internactonal, Brazil ranks 69,among 175 countries. We even outrank China, which deals with corruption with a bullet to the back of the head.

Society needs to be vigilant, because behiind the rhetoric of morality and anticorruption of the Globos, Vejas, Bands, Estadãos, Folhas and the PSDB is yet another attempt to destroy Petrobras, thereby bringing to a halt major public works, with mass layoffs, thus destabilizing th

Source:  Emanuel Cancella| GGN

Dear reader: Difficulties with WordPress text editor continue.

Moody’s, which has just now downgraded Petrobras to below investment grade, is a party to a scheme to destabilize the company.  que agora rebaixou a nota da Petrobrás, perdendo grau de investimento, é parte da armação para paralisar a empresa. Did you know that not a single risk agency, including Moody’s, alerted the world to the 2006 meltdown in the U.S?

On  the contrary, it assigned AA (the highest investment grade) to U.S. treasury bonds..

Moody’s is part of an international conspiracy whose principal collaborators in Brazil are Globo, Veja, Band, Estadão, Folha and the PSDB political party, who want to paralyze Petrobrás and hand over our black gold to the gringos.

We cannot allow Petrobras to take a step backward and we cannot allow the paralysis of major public works in Brazil.

Society as a whole favors the arrest of the corrupt and the corruptors, in Petrobras or any other corporation.

But now this is actually starting to happen!

Petrobrás has never been investigated by any previous government: the generals, Sarney, Collor, Itamar Franco, FHC or Lula.

Only the Dilma government has demonstrated the will to take on such an investigation. And not only that.

While the federal police were carrying out Operation Car Wash, oil workers were busy improving the petroleum and production capacity, while the “pre-salt” layer is yielding 700,000 barrels a day.was. Furthermore, Petrobras was recently awarded an “Oscar of the Oil Industry.”* It is thanks to these workers that Petrobras continues to grow and to receive the kudos of the international industry.

Moody’s Blues

This ratings agency, Moody’s, which has just downgraded Petrogras notes to below investment level, is part of a plot to paralyse the company. Do we all remember how, in 2006, no ratings agency in the world, including Moody’s, alerted the world to the American meltdown?

Does Moody’s still deserve its reputation? Take as an example a piece from a  McClatchy reporter in 2009, titled How Moody’s sold its ratings – and sold out investors.

 While the federal police were carrying out Operation Car Wash, oil workers were busy improving the petroleum and production capacity, while the “pre-salt” layer is yielding 700,000 barrels a day. Furthermore, Petrobras was recently awarded an “Oscar of the Oil Industry.”* It is thanks to these workers that Petrobras continues to grow and to receive the kudos of the international industry.

Moody’s Blues

This ratings agency, Moody’s, which has just downgraded Petrogras notes to below investment level, is part of a plot to paralyze the company. Do we all remember how, in 2006, no ratings agency in the world, including Moody’s, alerted the world to the American meltdown?

Does it deserve its reputation? Take as an example a piece from a  McClatchy reporter in 2009, titled How Moody’s sold its ratings – and sold out investors.

The  Securities and Exchange Commission issued a blistering report on how profit motives had undermined the integrity of ratings The Securities and Exchange Commission issued a blistering report on how profit motives had undermined the integrity of ratings at Moody’s and its main competitors, Fitch Ratings and Standard & Poor’s, in July 2008, but the full extent of Moody’s internal strife never has been publicly revealed.at Moody’s and its main competitors, 

GGN reaches a similar conclusion:

In case you didn’t know it,  Petrobrás, through the taxes it pays, finances 80% of the PAC (Growth Acceleration Program) which includes hydroelectric plants, the transposition of the São Francisco River, three refineries, Comperj, and so on. ell.

In the ranking of the perception of corruption published by Transparency  Internactonal, Brazil ranks 69,among 175 countries. We even outrank China, which deals with corruption with a bullet to the back of the head.

Society needs to be vigilant, because behiind the rhetoric of morality and anticorruption of the Globos, Vejas, Bands, Estadãos, Folhas and the PSDB is yet another attempt to destroy Petrobras, thereby bringing to a halt major public works, with mass layoffs, and in this way destabilizing the Dilma government.

e Dilma government.

Dysentery & Dengue » Silent Springs?

Source: Diário do Centro do Mundo

“We are reducing the water pressure, which in itself constitutes rationing. What we no not yet have is the rotating schedule. There are people out there  who may be drinking contaminated water, but I prefer to think that this has not yet happened …. —Paulo Massato (Sabesp)

The latest newsflow on the drought that castigates São Paulo and other major cities. Two technicians from Sabesp, the state water and sewer company, explain how water usage and forecasting depends on technical considerations:

The metropolitan director of Sabesp, Paulo Massato, has acknowledged that the state-owned firm is failing to observe technical norms by reducing the water pressure necessary to supply portions of São Paulo with water.

ofMassato says that Sabesp is far from complying with the Brazilian standard, which calls for the maintenance of sufficient pressure to fill a cistern ten meters high, or what is called in technical terms a ten meter water column, a unit that measures the pressure of distribution. According to the Sabesp director, current pressure is only one meter.

“There is not enough pressure to reach the minimum level of 10 meters, especially in distant areas and areas located on high ground,” Massato said. In practice, the excess reduction of pressure would have the same effects as a rationing scheme based on a rotating schedule, which would leave neighborhoods without water for several day — 5 days, in fact.

This practice violates the recommendations that regulate the public distribution of water as set by ABNT, the Brazilian Association of Technical Norms.

Massato, testifying before the city legislature’s parliamentary inquiry into Sabesp’s contracts with the city government, justified the failure to comply by citing the gravity of the situation: “We are in a highly abnormal situation. We cannot serve 6 million residents [supplied by the Cantareira System] if we proceed normally.

ARSESP, the state sanitation and electricity regulator, says it will demand clarifications from the company and, depending on the response, could classify the practice as an infraction subject to a fine.

This is not the first time Sabesp has been questioned about the water pressure maintained in the system.

After some 400 consumer complaints about dry taps and insuffient pressure, Arsesp did an investigation of its own, between June and September 2014, into Sabesp’s Operational Control Centers. It discovered that water pressure in the pipes was two meters short of the recommended pressure, as the Estado de S. Paulo reported.

At the time, Governor Geraldo Alckim defended Sabesp management and dismissed what  Massato had stated. “Sabesp is in compliance with the ABNT standard, which is a 10-meter water column,” Alckmin said in Decenber, affirming at the same time that problems with the water supply were “transitory.”

[Subheds by the OESP]

Ex-president of Sabesp favors review of “premium” contracts

In the midst of crisis, Sabesp continues to offer premium terms to large consumers

Alerts ignored, drought and elections: the ideal recipe foeys
https://help.gnome.org/users/r a hydrological disaster

Same errors as SP drive Rio and Minas Gerais toward a similar crisis

“There is no pressure reduction. Sabesp is simply closing the taps.”

Sabesp, which discarded rationing two months ago, now ponders a “drastic rotation scheme”

This is not the first time that Massato has made statements contrary to the official line. He was the Sabesp director who introduced the phrase “drastic rotation” when he announced the possibility that customer would live five days a week without water from the tap.  “A rotating scheme is heavy-handed, very drastic. In order to get more water than we have stored up so far, you would have to have two days with water and five days without,” Massato said in late January. Three days later, Alckmin denied this forecast.

Massato was also heard on an audio recording of a Sabesp board meeting, leaked last October.“This is excruciating, an unbearable anxiety. Someone has been playing games, but this game is a serious one. We are going to give out free vacations … [People] will leave São Paulo, because there is no water here for the bath, the kitchen, for housecleaning, not even for those who can afford to buy bottled water. Those who can’t will have to take their showers at their mother’s house in Santos, Ubatuba, or Águas de São Pedro, whatever, here there won’t be anything”, the director said.

The leaking of the tape threw a bucket of cold water on a state government still trying to minimize the problem.

During the session of the CPI, at every opportunity, the director and the CEO avoided the term “rationing” at first, until Massato explained that Sabesp’s pipes are suffering reductions in pressure and that this [rotating rationing] would be a way to control consumption and distribution according to fixed schedule without interrupting the system as a whole.

Kelman exhibited data that differs from the documents presented by his predecessor, Dilma Pena, in 2014. In Kelman’s view, the loss of water through leakages has fallen, since 2004, to 29%. These data are not consistent with previous reports that indicated a loss of 36% of the resources in the piping system.

Kelman, formerly of Light (Rio de Janeiro), also emphasized the bonus program to stimulate reduced consumption, announced by Geraldo Alckmin in February 2014 and producing results in 2015.

After The Reign of Momo | False Flags and Masquerades

provocadores-2

Lowering of Petrobras bond rating together with street-fighting me — some apparently under false flag — make for a rousing front page

Polícia infringiu a lei ao permitir provocadoresArtigo 5º da Constituição Federal XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente; em ato em defesa da Petrobrás | Blog da CidadaniaThe Workers Party and fellow travelers are set up for a “false flag” operation, with dramatic images of young men in PT T-shirts tussling with an anti-Dilma, pro-impeachment demonstrator. The images involving a handful of provocateurs made the front page of every major daily and circulated heavily among the afternoon Limbaugh style newscasts.

In the foreground below the fold, the lowering of Petrobras bonds to Ba2 from Baa2 — devaluating its paper to sub-investment grade — and comparisons of the current political mood in Brazil with Maduro’s Venezuela. The beast whose number is 666 has many heads in this type of “moral panic” journalism. Coverage of the state government stresses some recent positives of a bureaucratic kind: Robberies down, reservoirs filling up. But let Edu Guimarães tell the story:

Before I begin, an aside: any number of articles in the establishment press said that
persons who were simply “passing by the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were assaulted.   Some surprise: any time you leave your house and find your neighbors with banners in hand, you assume they are going to some protest. The anti-PT thugs “just passsing by” were actually carrying those banners, so they did not just happen to be passing by. …

Simply put, the fact is that these people had  …

In any event there were many more PT or CUT or petroleiros on the scene than anti-PT agitators. Obviously a small group could succeed provoke reactions during a demonstration of persons with different political leanings, and it could not end well.

What is surprising is that citizens who dared to wear red have been assaulted verbally and physically in the streets since June 2013 and this fact never made the headlines. One of the most emblematic cases was the attorney who was assaulted on the Avenida Paulista for wearing a red T-shirt.

Esse é apenas um dos casos. Outro caso eminente foi, inclusive, denunciado por este Blog durante a eleição do ano passad

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá?  Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Screenshot from 2015-02-25 19:35:02

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham q

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were

ue estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – All may join together peacefully, unarmed, in public space, whether authorized or

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were

not, so long as they do not frustrate a gathering previously scheduled for the same locale, in which case prior notice to the responsible authority is required;

As we have seen, it is prohibited to attend a public event with which one disagrees  in order to provoke or contest that action. The law is quite clear. The police know this,

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were

naturally. Why did they not remove the provocateurs from the location?

manifestação. Confira, abaixo.

Porém, a questão central deste post não é sobre os fatos que levaram ao conflito de terça-feira no Rio, mas sobre o comportamento inaceitável da Polícia diante da atitude

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were

criminosa dos provocadores que se articularam para ir tumultuar o ato em defesa da Petrobrás.

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were

tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio av

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were

iso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were

retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were assaulted.   Some surprise: any time you leave your house and find your neighbors with banners in hand, you assume they are going to some protest. The anti-PT thugs “just passsing by” were actually carrying those banners, so they did not just happen to be passing by.

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

g by. …

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara.

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que es

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

tar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

o, quando um cadeirante foi agredido por antipetistas por usar camiseta do PT.

Porém, a questão central deste post não é sobre os fatos que levaram ao conflito de terça-feira no Rio, mas sobre o comportamento inaceitável da Polícia diante da atitude criminosa dos provocadores que se articularam para ir tumultuar o ato em defesa da Petrobrás.

Before I begin, an aside: any number of articles in the establishment press said that
persons who were simply “passing by

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were assaulted.   Some surprise: any time you leave your house and find your neighbors with banners in hand, you assume they are going to some protest. The anti-PT thugs “just passsing by” were actually carrying those banners, so they did not just happen to be passin

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

g by. …

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Esse é apenas um dos casos. Outro caso eminente foi, inclusive, denunciado por este Blog durante a eleição do ano passado.

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que es

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

tar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

o, quando um cadeirante foi agredido por antipetistas por usar camiseta do PT.

Porém, a questão central deste post não é sobre os fatos que levaram ao conflito de terça-feira no Rio, mas sobre o comportamento inaceitável da Polícia diante da atitude criminosa dos provocadores que se articularam para ir tumultuar o ato em defesa da Petrobrás.

Before I begin, an aside: any number of articles in the establishment press said that
persons who were simply “passing by

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were assaulted.   Some surprise: any time you leave your house and find your neighbors with banners in hand, you assume they are going to some protest. The anti-PT thugs “just passsing by” were actually carrying those banners, so they did not just happen to be passin

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

g by. …

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinh

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que es

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

tar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

o, quando um cadeirante foi agredido por antipetistas por usar camiseta do PT.

Porém, a questão central deste post não é sobre os fatos que levaram ao conflito de terça-feira no Rio, mas sobre o comportamento inaceitável da Polícia diante da atitude criminosa dos provocadores que se articularam para ir tumultuar o ato em defesa da Petrobrás.

Before I begin, an aside: any number of articles in the establishment press said that
persons who were simply “passing by

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were assaulted.   Some surprise: any time you leave your house and find your neighbors with banners in hand, you assume they are going to some protest. The anti-PT thugs “just passsing by” were actually carrying those banners, so they did not just happen to be passin

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

g by. …

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

am direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que es

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

tar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

o, quando um cadeirante foi agredido por antipetistas por usar camiseta do PT.

Porém, a questão central deste post não é sobre os fatos que levaram ao conflito de terça-feira no Rio, mas sobre o comportamento inaceitável da Polícia diante da atitude criminosa dos provocadores que se articularam para ir tumultuar o ato em defesa da Petrobrás.

Before I begin, an aside: any number of articles in the establishment press said that
persons who were simply “passing by

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were assaulted.   Some surprise: any time you leave your house and find your neighbors with banners in hand, you assume they are going to some protest. The anti-PT thugs “just passsing by” were actually carrying those banners, so they did not just happen to be passin

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

g by. …

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinh

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que es

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

tar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

o, quando um cadeirante foi agredido por antipetistas por usar camiseta do PT.

Porém, a questão central deste post não é sobre os fatos que levaram ao conflito de terça-feira no Rio, mas sobre o comportamento inaceitável da Polícia diante da atitude criminosa dos provocadores que se articularam para ir tumultuar o ato em defesa da Petrobrás.

Before I begin, an aside: any number of articles in the establishment press said that
persons who were simply “passing by

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

the location” of the pro-Petrobras march cursed and insulted the activists and were assaulted.   Some surprise: any time you leave your house and find your neighbors with banners in hand, you assume they are going to some protest. The anti-PT thugs “just passsing by” were actually carrying those banners, so they did not just happen to be passin

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

g by. …

Mas, enfim, o fato é que essas pessoas não tinham direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Artigo 5º da Constituição Federal

XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente;

Como se vê, é proibido ir a ato público do qual se discorda para provocar ou para contestar aquele ato. A lei é bem clara. A polícia sabe disso, claro. Por que não retirou os provocadores do local?

am direito de estar lá e a polícia deveria tê-las retirado. Por que não tinham que estar lá? Ora, devido ao artigo 5º da Constituição Federal em seu tópico sobre direito de manifestação. Confira, abaixo.

Continue reading

Marinho and the Generals

Screenshot from 2015-02-22 14:26:54

Sources: Rede Brasil Atual | R7

On August 14, 1965, a year after the coup in Brazil, the U.S. ambassador to Brazil, Lincoln Gordon, transmitted a highly classified telegram to his superiors — a document since declassified.

The message narrates an encounter at the Embassy between Gordon and Roberto Marinho, owner of the Globo Organizations[, the broadcasting and publishing group]. The conversation dealt with the presidential succession under the dictatorship. According to Gordon, Marinho was “working behind the scenes,” with a group comprising, among other senior officers, General Ernesto Geisel, Military Chief of Staff; General Golbery do Couto e Silva, head of the National Intelligence Service (SNI); and Luis Vianna, head of the Casa Civil, on whether to prolong or to terminate the mandate of the dictator, Castelo Branco.

Continue reading

The R$20 Billion Club |

BnckoxTIEAEcuyb

Source: O Cafezinho | Miguel do Rosário

The scandal at HSBC, known as Swissleaks, reveals the abysmal hypocrisy of [Brazilian] corporate media.

The case involves the names of thousands of individuals, many of them extremely wealthy, who hide their fortunes and avoid taxes in their country of origin.

In the eyes of our own native media, scandals only matter if they can be used as a political weapon against the PT and its government.

Thus, these names will not be made public unless they can be used to add fuel to the fire of some fresh scandal or fit in well with some propaganda narrative.

[But the fact is that] Brazil is one of the countries with the largest number of persons involved in  tax evasion schemes in the world.

And possibly the most bureaucratic!

The remarkably submissive Rodrigues articles involving Brazilpromises that no new names will leak, even after saying that in Brazil, “there are 6,606 bank accounts (serving 8,667 clients) and cash flow of nearly US$ 7 billion” — nearly R$ 20 billion, an amount close to what the Dilma government needs to set aside for fiscal adjustments.”

R$ 20 billion!

Rodrigues reveals only that the list comprises “business leaders, bankers, artists, athletes and intellectuals”.

Where are these names. Why not reveal them?

The Car Wash case could give rise to a debate over the crime that costs government the most: undeclared income and unpaid taxes.

But these topics are avoided like the plague in our establishment media, which attacks heterodoxy with religious fervor.

Recently, the organization Tax Justice  published two news articles involving Brazil that were completely ignored by the Brazilian press.

First, a ranking was made of countries with custody of fortunes in fiscal paradises. Brazil is in fourth place, with our native super-rich illegally maintaining more than R$ 1 trillion abroad.

Next, the same NGO released another study which positioned Brazil as second in the worldwide list of countries suffering tax evasion, second only to Russia: Brazil loses US$ 280 billion per year, compared with R$ 211 billion in Russia [sic]. (above)

In terms of [asset value under management?], Brazil loses only to the U.S.

Evasion of taxes in the U.S. was an estimated US$ 337 billion [when?], but this corresponds to a mere 2.3% of its GDP.

The same practice costs Brazilians, meanwhile, 13.4% of GDP!

What is hilarious is how easy it is for the media to use disinformation to slam the government, demanding greater control over the diversion of the taxes we pay.

Why doesn’t it do it, then?

Because it involves a criticism of the government, and a fight that the media groups don’t want to make public.

O Globo naturally prefers (as it did again today) to defend the fiscal adjustment programmed by Levy, which on one hand corrects … some distortions, and on the other takes an unnecessary bite out of labor rights.

Imagine if  O Globo were to argue that cleaning up the public treasury would take the form of a more rigorous prosecution of tax avoiders ….

This is the method used by Fernando Rodrigues (UOL), who published only the names involved in the HSBC scandal that also figure in the Car Wash money laundering case.

Rodrigues published only the names involved in the HSBC scandal that also figure in the Car Wash money laundering case and the money laundering services provided by HSBC. To date, and unlike in other countries, where the HSBC case dominates the press, our newspapers keep a lid on the story.

With remarkable submissiveness, Rodrigues promises that no new names will leak, even after reporting that in Brazil, “there are 6,606 bank accounts (serving 8,667 clients) and cash flow of near

 

BnckoxTIEAEcuyb

Source: O Cafezinho | Miguel do Rosário

The scandal at HSBC, known as Swissleaks, reveals the abysmal hypocrisy of [Brazilian] corporate media.

The case involves the names of thousands of individuals, many of them extremely wealthy, who hide their fortunes and avoid taxes in their country of origin.

In the eyes of our own native media, scandals only matter if they can be used as a political weapon against the PT and its government.

This, these names will not be made public unless they can be used to add fuel to the fire of some fresh scandal or fit in well with some propaganda narrative.

[But in fact,] Brazil is one of the countries with the largest number of persons involved in the  tax evasion schemes.

The remarkably submissive Rodrigues promises that no new names will leak, even after saying that in Brazil, “there are 6,606 bank accounts (serving 8,667 clients) and cash flow of nearly US$ 7 billion” — nearly R$ 20 billion, an amount close to what the Dilma government needs to set aside for fiscal adjustments.”

R$ 20 billion!

Rodrigues reveals only that the list comprises “business leaders, bankers, artists, athletes and intellectuals”.

Where are these names. Why not reveal theme?

The Car Wash case could give rise to a debate over the crime that costs government the most: undeclared income and unpaid taxes.

But these topics are avoided like the plague in our establishment media, which attacks heterodoxy with religious fervor.

Recently, the organization Tax Justice  published two news articles involving Brazil that were completely ignored by the Brazilian press.

First, a ranking was made of countries with custody of fortunes in fiscal paradises. Brazil is in fourth place, with our native super-rich illegally maintaining more than R$ 1 trillion abroad.

Next, the same NGO released another study which positioned Brazil as second in the worldwide list of countries suffering tax evasion, second only to Russia: Brazil loses US$ 280 billion per year, compared with R$ 211 billion in Russia [sic]. (above)

In terms of [asset value under management?], Brazil loses only to the U.S.

Evasion of taxes in the U.S. was an estimated US$ 337 billion [when?], but this corresponds to a mere 2.3% of its GDP.

The same practice costs Brazilians, meanwhile, 13.4% of GDP!

What is hilarious is how easy it is for the media to use disinformation to slam the government, demanding greater control over the diversion of the taxes we pay.

Why doesn’t it do it, then?

Because it involves a criticism of the government, and a fight that the media groups don’t want to make public.

O Globo naturally prefers (as it did again today) to defend the fiscal adjustment programmed by Levy, which on one hand corrects … some distortions, and on the other takes an unnecessary bite out of labor rights.

Imagine if  O Globo were to argue that cleaning up the public treasury would take the form of a more rigorous prosecution of tax avoiders ….

This is the method used by Fernando Rodrigues (UOL), who published only the names involved in the HSBC scandal that also figure in the Car Wash money laundering case.

With remarkable submissiveness, Rodrigues promises that no new names will leak, even after saying that in Brazil, “there are 6,606 bank accounts (serving 8,667 clients) and cash flow of nearly US$ 7 billion” — nearly R$ 20 million, an amount close to what the Dilma government needs to set aside for fiscal adjustments.”

R$ 20 billion!

Rodrigues reveals only that the list comprises “business leaders, bankers, artists, athletes and intellectuals”.

Where are these names. Why not reveal them?

The Car Wash case could give rise to a debate over the crime that costs government the most: undeclared income and unpaid taxes.

But these topics are avoided like the plague in our establishment media, which attacks economic heterodoxy with religious fervor.

Recently, the organization Tax Justice —  — published two news articles involving Brazil that were completely ignored by the Brazilian press.

First, a ranking was made of countries with custody of fortunes in fiscal paradises. Brazil is in fourth place, with our super-rich illegally maintaining more than R$ 1 trillion.

Next, the same NGO released another study which positioned Brazil as second in the worldwide list of countries suffering tax evasion, second only to Russia: Brazilians fail to pay US$ 280 billion per year, compared with R$ 211 billion in Russia [sic?].

In terms of asset value under management, Brazil loses only to the U.S.

Evasion of taxes in the U.S. was an estimated US$ 337 billion, but this corresponds to a mere 2.3% of its GDP.

The same practice costs us, meanwhile, 13.4% of GDP!

What is hilarious is how easy it is for the media to use disinformation to slam the government, demanding greater control over the diversion of the taxes we pay.

Why doesn’t it do it, then?

Because it involves a criticism of the government that the media groups don’t want to make public.

O Globo naturally prefers (as it did again today) to defend the fiscal adjustment programmed by Levy, which on one hand corrects … some distortions, and on the other takes an unnecessary bite out of labor rights.

Imagine if Globo were to argue that cleaning up the public treasury would take the form of a more rigourous prosecution of tax avoiders ….

ly US$ 7 billion” — nearly R$ 20 million, an amount close to what the Dilma government needs to set aside for fiscal adjustments.”

R$ 20 billion!

Rodrigues reveals only that the list comprises “business leaders, bankers, artists, athletes and intellectuals”.

Where are these names. Why not reveal them?

The Car Wash case could give rise to a debate over the crime that costs government the most: undeclared income and unpaid taxes.

But these topics are avoided like the plague in our establishment media, which attacks economic heterodoxy with religious fervor.

Recently, the organization Tax Justice —  — published two news articles involving Brazil that were completely ignored by the Brazilian press.

First, a ranking was made of countries with custody of fortunes in fiscal paradises. Brazil is in fourth place, with our super-rich illegally maintaining more than R$ 1 trillion.

Next, the same NGO released another study which positioned Brazil as second in the worldwide list of countries suffering tax evasion, second only to Russia: Brazilians fail to pay US$ 280 billion per year, compared with R$ 211 billion in Russia [sic?].

In terms of asset value under management, Brazil loses only to the U.S.

Evasion of taxes in the U.S. was an estimated US$ 337 billion, but this corresponds to a mere 2.3% of its GDP.

The same practice costs us, meanwhile, 13.4% of GDP!

What is hilarious is how easy it is for the media to use disinformation to slam the government, demanding greater control over the diversion of the taxes we pay.

Why doesn’t it do it, then?

Because it involves a criticism of the government that the media groups don’t want to make public.

O Globo naturally prefers (as it did again today) to defend the fiscal adjustment programmed by Levy, which on one hand corrects … some distortions, and on the other takes an unnecessary bite out of labor rights.

Imagine if Globo were to argue that cleaning up the public treasury would take the form of a more rigourous prosecution of tax avoiders ….